Browse By

Basquete e vôlei encerram participação nos Jogos Escolares de Rondônia em Vilhena

Das modalidades coletivas, o basquete e o vôlei despediram-se nesse domingo (16) com as partidas finais dos Jogos Escolares de Rondônia (Joer), que terminam nesta segunda-feira (17) com cerimônia de premiação nas modalidades de futebol, handebol e futsal no Centro de Convivência. Os campeões asseguraram vagas para a etapa nacional juvenil (15 a 17 anos) dos Jogos Escolares da Juventude (JEJ), que acontecerão de 10 a 19 de novembro, em João Pessoa (PB).
Os garotos do basquete da escola Barão do Solimões, de Porto Velho, mantiveram a supremacia de quatro anos seguidos, vencendo pelo placar de 34 a 46 o colégio Dom Bosco, também da capital, que nesta edição do Joer alimentava a expectativa de se tornar medalha de ouro. “É o resultado da reafirmação do apoio da escola no desenvolvimento do esporte escolar”, disse Samuel Johnson, técnico da Barão do Solimões.
O capitão André Ximenes, da mesma escola, disse que o desafio agora é o ouro em João Pessoa. “Em 2014 fomos prata na Paraíba. Vamos lá de novo trazer o ouro para Rondônia”, disse o garoto, após receber a medalha e troféu no Centro de Convivência.
A escola Maria Arlete, de Vilhena, garantiu o ouro no vôlei masculino e no feminino. Após o primeiro pódio, o masculino, o técnico France Lima destacou o empenho da equipe na partida contra os garotos da escola Joaquim de Lima, de Ouro Preto do Oeste. “Os atletas deram um excelente exemplo de que o entrosamento e o compromisso na quadra trazem resultados positivos”, avaliou.
No vôlei feminino, a equipe da escola Maria Arlete, também de Vilhena, passou fácil pelas adversárias da escola Celso Ferreira, de Cacoal. “As campeãs lideraram os três sets sem dificuldade”, considerou o técnico France Lima.
Apenas o basquete feminino realizou a final no sábado (15) no ginásio da Associação Vilhenense de Vôlei (AVV).
A equipe do Colégio Dom Bosco, de Porto Velho, venceu as meninas da escola Gonçalves Dias, de Ji-Paraná, pelo placar de 43 a 28. “A equipe fez o que pode, mas as adversárias se apresentaram com mais experiência e preparo”, disse a técnica de Ji-Paraná, professora Simone Trece, medalha de prata no Joer.

Deixe uma resposta