Browse By

Para onde ligar em caso de emergência de saúde ou de segurança?

No momento de uma ocorrência grave muitas pessoas ainda não sabem distinguir para que número ligar pedindo socorro: se para a Polícia Militar (190), Corpo de Bombeiros (193) ou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu-192), e acabam sobrecarregando, por engano, a central telefônica de um serviço essencial que não é o indicado para o caso. Isso sem contar os trotes, que conforme a diretora administrativa substituta do Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop), major PM Eunice Alexandre, são em torno de 380 diários e entre 11 e 12 mil mensais, uma prática considerada crime punível com multa de R$ 1 mil, podendo ser dobrada em caso de reincidência, com base na Lei Estadual 3.862, sancionada pelo governador Confúcio Moura, em 19 de julho do ano passado. Diariamente o Ciop recebe, em média, 780 ligações e 23 mil mensais.

Como geralmente as pessoas não sabem diferenciar o número do serviço adequado para uma determinada situação de emergência, a exemplo das servidoras públicas, Francimary da Silva e Sebastiana Lagos, que sabem apenas que o 190 é da PM, o capitão bombeiro Iranildo Dias, diretor de Comunicação Social do Corpo de Bombeiros, explicou que os policiais militares atuam no policiamento ostensivo, enquanto a equipe do Samu nos casos em que há risco de morte, como envenenamento e acidentes, que também são atendidos pelos bombeiros, mas apenas no resgate ou remoção e imobilização de vítimas presas às ferragens. São de competência também dos bombeiros queda em poço, de telhado, captura de animais, incêndio, desabamentos e afogamentos, sendo necessário o Samu quando há risco à vida. “As viaturas do Corpo de Bombeiros são equipadas com materiais de primeiros-socorros, mas nos casos em que a vida está em risco, o ideal é o Samu, pois só o médico pode avaliar a gravidade e orientar os principais procedimentos pré-hospitalares”, observou o capitão.

Major Eunice alerta sobre riscos dos trotes

Sobre os trotes, a major Eunice e o capitão Iranildo lamentaram que ainda ocorram, prejudicando o atendimento a quem realmente necessita, e mesmo sob a ameaça de punição. A major revelou que a principio são feitos alertas aos responsáveis pela linha telefônica, cujo número é identificado pelo bina, e geralmente a culpa é atribuída às crianças.

Ela citou o exemplo de um senhor, que mora sozinho, e geralmente liga informando uma determinada situação, como alguém dentro do forro do telhado ou roubando os fios de energia, e quando a polícia chega lá, a história não é verídica. Da zona Leste de Porto Velho, um jovem ligou dizendo que a irmã tinha sido sequestrada, e quando os policiais chegaram ao endereço indicado, era uma casa comercial. “Isso tudo representa gasto com combustível, perda de tempo e prejuízo para quem realmente precisa do serviço e para a equipe, que numa emergência sai em alta velocidade colocando em risco suas vidas e dos transeuntes”, disse a major.

Em outra situação, segundo ela, os bombeiros foram chamados para controlar um incêndio numa residência e quando chegaram ao local era o vizinho queimando lixo. Enquanto isso, em outro bairro, na mesma ocasião, havia um incêndio, mas a equipe chegou atrasada. Em dois dias, uma pessoa de Vilhena fez 1.500 ligações falsas, conforme revelou o capitão Iranildo. Ainda segundo ele, em São Paulo a pessoa identificada é obrigada a arcar com todas as despesas das três viaturas: de resgate, comando e hospitalar.

Além de orientar os pais a conscientizar os filhos sobre essa prática criminosa, a Polícia Militar tem alertado também nas escolas por meio do Programa de Erradicação às Drogas (Proerd).

O Ciop é ligado à Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec) e funciona diariamente 12h por turno, com uma equipe de 12 atendentes, entre policiais militares, civis e bombeiros. Todas as ligações são encaminhadas à Sala de Despachadores, encarregadas de checar as informações e acionar as viaturas da PM ou dos Bombeiros. Embora o Samu tenha uma central de atendimento, há casos em que a equipe do Ciop aciona o atendimento médico.

Deixe uma resposta